Desde a sua fundação a AEIPS promove iniciativas promotoras da auto-representação das pessoas com experiência de doença mental, com o objetivo de aumentar a sua participação, influência e liderança, a nível individual, organizacional, comunitário e social.

Em 2001 criámos o Centro de Empowerment e Ajuda-Mútua (CEAM), coordenado e dinamizado exclusivamente por pessoas com experiência de doença mental, para promover a sua auto-representação e o seu empowerment.

Principais atividades do CEAM

• Grupo de Ajuda-Mútua, um grupo completamente autónomo baseado no relacionamento e suporte

de ajuda mútua específico para mulheres com experiência de doença mental.

• Debates Temáticos sobre temas e problemáticas que dizem respeito aos/às participantes, entre os quais os direitos humanos, a cidadania e a integração comunitária.

• Campanhas contra a Discriminação, através de palestras, formações, ações de informação e sensibilização sobre o respeito pela diferença, fomentando assim o valor da diversidade humana, em diversos contextos comunitários, principalmente escolas e universidades.

• Jornal “Ajuda Interpares”, um projeto composto, redigido e realizado autonomamente por membros do CEAM entre 2006 e 2016, com diversos artigos nacionais e internacionais sobre temas, como o recovery, o empowerment e a defesa dos direitos das pessoas com experiência de doença mental (pode consultar os exemplares em http://www.aeips.pt/publicacoes/)

Promoção das Capacidades, Liderança e Empoderamento

Entre 2019 e 2021, desenvolvemos um novo projeto denominado “Promoção das Capacidades, Liderança e Empoderamento” (www.lidera-tu.pt), com o financiamento do Gabinete do Mecanismo Financeiro do Espaço Económico Europeu (European Economic Area Agreement Grants – EEA Grants), gerido pela Fundação Calouste Gulbenkian em consórcio com a Fundação Bissaya Barreto. Este projeto representa um novo impulso para uma maior estruturação e organização de um movimento de auto-representação das pessoas com experiência de doença mental.

Para promover oportunidades efetivas de participação, o projeto contratou um grupo de pessoas com experiência de doença mental, provenientes de uma parceria nacional entre três organizações de saúde mental na comunidade: AEIPS (Lisboa), ANARP (Porto) e ASMAL (Loulé e Faro).

Principais objetivos do projeto

1. Desenvolver as capacidades das pessoas com experiência de doença mental para o exercício da liderança

2. Fortalecer os contactos, ligações e sentimento de comunidade entre pessoas com experiência de doença mental a nível nacional e internacional

3. Promover a criação de uma plataforma nacional de pessoas com experiência de doença mental que desempenhe um papel de liderança no advocacy dos direitos humanos e da cidadania

4. Prevenir e combater o estigma e a discriminação associados à doença mental e promover o empoderamento das pessoas com experiência de doença mental e a valorização da diversidade humana